Fatores dietéticos x Câncer de mama

29 de outubro de 2017

O câncer de mama é um dos mais frequentes tipos de câncer presente em mulheres. Diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença, tais como: a genética, idade da mulher, menarca precoce, menopausa tardia, ocorrência da primeira gravidez após os 30 anos e uso prolongado de anticoncepcionais são fatores que predispõem o aparecimento do tumor mamário.

Diversos esforços vêm sendo realizados a fim de identificar os determinantes do câncer de mama, assim como os fatores protetores, e a abordagem terapêutica adequada. A literatura sugere que os fatores dietéticos podem contribuir para a carcinogênese mamária, portanto, a progressão e controle desta doença parecem estar relacionados a hábitos alimentares. A importância da dieta na abordagem ao câncer de mama já é reconhecida. Os mecanismos de ação mais relevantes envolvem a ação antioxidante, anti-inflamatória, inibidores de processos que estimulam a proliferação de células cancerígenas, inibidores de apoptose celular e, principalmente, a ação anti-hormonal.

A partir de estudos realizados, comprovou-se que alguns alimentos funcionais estão envolvidos na prevenção e tratamento do câncer de mama: Frutas vermelhas, brócolis, cenoura, especiarias, como pimenta preta e curry, cebola, alho, salsa, manjericão, orégano e açafrão; chá verde (Camellia Sinensis); linhaça e as Oleaginosas. Os fitos nutrientes como as antocianinas, a quercetina, os polifenóis, os carotenoides, o fitoquímico sulforafano e os antioxidantes presentes nesses alimentos, combinados, reduzem o processo inflamatório do organismo, ajudam a melhorar a resposta do sistema imunológico e a proteger as células, neutralizam os radicais livres no organismo, inibindo a ligação de elementos carcinógenos ao DNA. Os fitoesteróis das nozes, por exemplo, bloqueiam os receptores de estrógeno nas células de câncer e evitam seu crescimento.

Os fatores dietéticos, já reconhecidos pela literatura, que podem contribuir para o desenvolvimento do câncer de mama é uma dieta com alto consumo de carboidratos refinados, com alto índice glicêmico. Uma dieta rica em açúcar branco, frutas em calda enlatadas, farinha branca, massas e pães, por exemplo, possuem alto índice glicêmico, ou seja, promovem um pico de glicose na corrente sanguínea, esse pico glicêmico está associado a maiores níveis de insulina, hormônio que regula açúcar no sangue. E, de acordo com alguns autores, grandes quantidades de insulina vêm sendo ligadas à incidência de certos tipos de câncer, possivelmente pelo fato de que o hormônio é capaz de estimular o crescimento dos tumores.

Mantenha o foco no que pode ser feito para melhorar a sua qualidade de vida, faz-se necessário consulta com profissionais de saúde que tracem condutas e estratégias clínicas, para uma assistência clínico-nutricional moderna e eficaz na prevenção, controle e tratamento do câncer de mama. Sendo uma doença multifatorial é extremamente importante analisar todos os fatores de risco que estão envolvidos no seu desenvolvimento.

 

Referências:

PADILHA, Patricia de C., PINHEIRO, Rosilene de L. O Papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama. 2014.

COSTA, Neuza Maria Brunoro; ROSA, Carla de Oliveira Barbosa. Alimentos Funcionais – Componentes Bioativos e Efeitos Fisiológicos – 2ª edição. 2016.

MACHADO, Luciana De Olivera. Risco do Aparecimento do Câncer de Mama em Mulheres Menopausadas com Síndrome Metabólica e o Papel da Dieta na Prevenção da Doença. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Edição 02, Ano 02, Vol. 01. pp 67-100, Maio de 2017. ISSN:2448-0959.

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Entre em contato conosco 😊

Travessa Cincinato Fernandes 265
Centro, Guanambi - Bahia