Objetivo não é pôr fim a radares, mas instalar onde velocidade causa acidentes, diz ministro

4 de abril de 2019

Tarcísio Freitas (Infraestrutura) deu declaração ao participar de audiência na Câmara. No início da semana, governo suspendeu instalação de radares por ordem de Bolsonaro.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, afirmou nesta quarta-feira (3) que o objetivo do governo não é acabar com os radares nas rodovias federais, mas, sim, instalar os equipamentos onde o excesso de velocidade causa acidentes.

Tarcísio Freitas deu a declaração ao participar de uma audiência na Câmara dos Deputados.

“São vários os motivos que causam acidentes, um deles é excesso de velocidade. Mas não é o único. Eu preciso colocar radar naqueles locais em que os acidentes estão conectados com o excesso de velocidade. Isso não estava acontecendo. Não vamos acabar com os radares. Vamos ter radares aonde se precisa”, declarou o ministro Tarcísio Freitas.

No início desta semana, o governo anunciou a suspensão da instalação de milhares de radares nas rodovias federais administradas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Segundo o Ministério da Infraestrutura, a medida foi tomada por ordem do presidente Jair Bolsonaro, que, no fim de semana, disse em uma rede social que radares têm “único intuito de retorno financeiro ao estado”.

De acordo com o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Mario Rodrigues Junior, o governo também vai reavaliar novos radares em rodovias concedidas.

Cobranças em pedágio

Ao participar da audiência na Câmara, o ministro Tarcísio Freitas afirmou que o governo prevê a concessão de cerca de 6 mil quilômetros de rodovias.

Segundo ele, está em avaliação a possibilidade de os editais preverem que os pedágios poderão cobrar tarifa dinâmica. Conforme o ministro, se a medida entrar em vigor, o motorista poderá pagar um valor menor de pedágio quando for pista simples.

Simulador

Durante a audiência na Câmara, o ministro também disse que pretende rever o processo para obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Ele citou os equipamentos simuladores de direção.

“Os países com os melhores índices de segurança no mundo não têm a obrigatoriedade do simulador. O uso do simulador não diminuiu as reprovações no primeiro exame. Qual o ganho?”, afirmou.

 

CompartilheShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Entre em contato conosco 😊

Travessa Cincinato Fernandes 265
Centro, Guanambi - Bahia