Acaba a greve docente, mas continua na mobilização para a mesa permanente de negociação

13 de junho de 2019

A categoria docente da Uneb aprovou o término da greve no início da tarde desta quarta-feira (12). Porém, a mobilização continuará a acontecer. O objetivo será acompanhar as negociações que ocorrerão na mesa permanente conquistada junto ao governo do estado. A decisão das/os professoras/es ocorreu durante a assembleia realizada no campus de Salvador. A paralisação que durou 65 dias, além da mesa permanente, garantiu promoções e orçamento para investimento nas universidades estaduais da Bahia.

A assembleia aprovou a assinatura do acordo, desde que o documento contenha os termos presentes na ata de reunião, realizada no último dia 10 na Secretaria Estadual da Educação, entre o Fórum das ADs e o governo. O texto apresenta três conquistas: as primeiras duas são de até 900 promoções docentes e a liberação imediata de R$ 36 milhões para investimento às estaduais baianas. Já o terceiro ponto é a mesa permanente de negociação, que deverá ocorrer até o final do governo Rui Costa. A expectativa do Movimento Docente é que sejam debatidos os demais itens da pauta não atendidos de imediato, a exemplo da implementação das Dedicações Exclusivas, das passagens docentes e das garantias ao Estatuto do Magistério Superior. Os diálogos deverão começar em até 72h após o término da greve e deverão ter a participação das secretarias da Educação, Administração, Fazenda e Relações Institucionais.

No decorrer da assembleia muitos docentes criticaram a maneira autoritária com que o governador se portou nas negociações, inclusive colocando a Rondesp e a Tropa de Choque para pressionar os docentes durante algumas manifestações. Outras falas também valorizaram a ampla mobilização das/os professoras/es, que em todo o Estado fortaleceram o movimento grevista e puderam dialogar com a sociedade sobre a importância da Uneb no desenvolvimento da Bahia. De acordo com a coordenação da ADUNEB, as conquistas da pauta de reivindicações e a mesa permanente de negociação só foram possíveis graças à maneira coesa e responsável com que a categoria se portou nesta greve. A continuidade da mobilização será fundamental para garantir mais itens da pauta nas próximas negociações.

Salários cortados       

Quanto à devolução dos salários cortados, segundo a ata da reunião, o Estado pagará o vencimento integral do mês de junho. Após a apresentação do plano de reposição das aulas, o mês de maio será pago junto com julho. Na sequência serão pagos os dias do mês de abril. Contudo, o pagamento parcelado dos salários atrasados é ponto de descontentamento na categoria, que ainda tentará negociar melhor maneira de receber os vencimentos.

Calendário 33

A assembleia decidiu também que o início das aulas será na segunda-feira (17). Na sexta-feira (14) a categoria somará forças a inúmeros outros setores de todo o país no dia de Greve Geral contra a reforma da Previdência, proposta pelo governo Bolsonaro. Fonte: Aduneb

Charles Fernandes vê como positivo a retirada do BPC, Aposentadoria Rural e de professores da Reforma da Previdência

O deputado federal Charles Fernandes (PSD), vê como amadurecimento do debate e ponto positivo, a retirada de pontos polêmicos e de alto impacto social no país, do texto final do Relatório da Reforma da Previdência, que inclui mudanças importantes na proposta inicial do governo.

Em contato com a nossa reportagem na manhã desta quinta-feira (13), Fernandes, que sempre foi um forte crítico das mudanças no BPC, Aposentadoria Rural, exclusão das mudanças no pagamento do abono salarial e na idade da aposentadoria do professor, avalia que com as mudanças e devido a situação de caos nas contas públicas dos governos municipais, estaduais e federal, devem surtir maior apoio ao relatório, que após apresentação na comissão especial, será apreciado pela Câmara Federal. “Vejo com bons olhos a exclusão da reforma destes pontos que impactam diretamente os mais humildes e assalariados, caso do BPC, abono salarial, Aposentadoria rural, que surte alto impacto social e econômico na Bahia e nossa região, e ainda, a aposentadoria do professor, que deve ser mantida, como está”, avalia.

Para Charles, a retirada destes pontos polêmicos do relatório final da Reforma, fará com que a matéria tenha maior aprovação dos deputados. “Dialogamos semana passada com nossa base em Guanambi, sobre a retirada destes pontos da Reforma, e iremos reavaliar o nosso posicionamento”, finaliza.

CompartilheShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Entre em contato conosco 😊

Travessa Cincinato Fernandes 265
Centro, Guanambi - Bahia