CDL encaminha manifestações de lojistas à Prefeitura de Guanambi

31 de julho de 2020

A CDL Guanambi tornou público, nesta sexta, 31, através dos veículos de comunicação e redes sociais o ofício que foi encaminhado ao Prefeito Municipal Jairo Magalhães, em que empresários da cidade pedem e justificam a abertura do comércio.

O gestor municipal fez uma reunião com o Comitê de Combate à covid-19, Comitê de Monitoramento, Comitê de Desenvolvimento Econômico e a CDL Guanambi, às 10h, hoje, 31, e logo mais às 18h estará em uma live informativa pelas redes sociais da prefeitura explicando as decisões tomadas.

Segue Nota as informações da CDL:

Como informado em nota publicada na última segunda-feira, 27, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Guanambi, CDL, encaminhou ao prefeito Jairo Magalhães ofício com as manifestações de lojistas associados acerca da interdição do comércio pelo último decreto municipal.

Ao tomar conhecimento do documento que suspendia as atividades, a CDL solicitou de cada empresário seus pontos de vista e manifestações sobre os impactos do fechamento, o que pode apoiar a decisão da prefeitura na nova reunião de reavaliação do cenário pelo comitê de enfrentamento da pandemia do Covid-19, a ser realizada nesta sexta-feira, 31.

Veja algumas das manifestações encaminhadas abaixo. Por questões de privacidade dos associados da CDL, a empresa e gestor não serão identificados nesta matéria, constando apenas no documento oficial e de representação enviado à Prefeitura de Guanambi.

“Estamos seguindo todas as orientações contra a pandemia, creio não há necessidade do fechamento do comércio, pois não há provação científica que o vírus é transmitido somente no comércio!” 

– “O comércio de Guanambi mantém todas as medidas protetivas no intuito de combater a pandemia…estados como SP e RJ fecharam o comércio por mais de cem dias no entanto os casos dispararam mesmo com o fechamento o que fica claro que não é o comércio que é o ” vilão ” pois não contém aglomeração”.

– “O fechamento mais uma vez, pode significar o fechamento de uma empresa que está a 25 anos no mercado, pois não estamos conseguindo cumprir os compromissos com o fisco, fornecedores e colaboradores, principalmente agora às vésperas de uma data importante para o comércio que é o dia dos pais, sem contar que o período que naturalmente tem movimento no comércio é exatamente o período em que se propõe o fechamento, qual seja do final do mês até o dia 10 do mês subsequente, ademais sempre estivemos atendendo a todas as recomendações para prevenir o coronavírus”.

– “O comércio está adotando as medidas necessárias para o combate, o contágio está sendo feito na rua e não dentro dos estabelecimentos. Sou totalmente contra o fechamento do comércio. A prefeitura junto com suas secretarias deveria fazer um trabalho maior de conscientização da população e não jogar a responsabilidade para o comerciante”.

– “Somos a favor do decreto mas temos observações. Sendo nossa loja de móveis e decorações, atendemos sob agendamento e com mínimo de fluxo de pessoas no interior da loja. Estamos preocupados com a segurança do nosso cliente, nosso colaborador e com a nossa também. Por isso adotamos medidas restritivas para continuar trabalhando. Aglomerações se vê em avenidas, bares, eventos, feiras, supermercados, bancos etc… não vejo muito nexo fechar quem não provoca aglomerações e deixar os que provocam abertos”.

– “É um momento delicado, estamos todos preocupados e desde o início buscamos cumprir as medidas necessárias para que pudéssemos trabalhar da melhor forma possível, os focos de aglomeração e falta de uso dos itens de higiene e proteção, trouxe a esse último resultado de crescimento exponencial, nós do comércio estamos cientes da importância do controle e prevenção e estamos dispostos a cumprir, como o fizemos, estamos lutando pela vida duas vezes, pois para nossos negócios é muito difícil sobreviver diante de tanta restrição, certa estou de que estamos dispostos a cumprir o nosso papel no cumprimento das normas estabelecidas, mas precisamos de “socorro” para que possamos minimizar os impactos causados por toda essa mudança que nos envolve! Creio que todos os comerciantes de Guanambi, esperam a possibilidade de poder trabalhar e honrar seus compromissos, seja com seus colaboradores, sociedade e parceiros/fornecedores!”

– “Vemos a forma de fechamento do comércio como um último e fatal golpe ao comércio local, lamentamos muito pois nossos clientes ficam sem receita para se manter e isso nos afeta assim como afeta centenas de trabalhadores que irão perder seus postos de trabalho. Entendemos a gravidade da situação, mas enxergamos que é necessária uma melhor articulação para lidar com a crise, pois a forma como vem sendo feito está aos poucos findando o comércio de nossa cidade sendo que a principal atividade econômica é justamente essa. Não existe trabalho não essencial, pois todo posto de trabalho é essencial para o sustento daquele que o exerce”.

– Nós com toda certeza nos preocupamos com as vidas! E lamentamos profundamente pelas vidas perdidas. Nós preocupamos também com os empregos que serão perdidos, pais de família, pequenas empresas, ambulantes que precisam de uma renda para sobreviver.O auxílio emergencial, o qual não chega a todas as famílias, não vai durar para sempre. Precisamos nos compadecer do nosso próximo! Se fosse verdade de que o fechamento do comércio acabaria com a pandemia, COM TODA CERTEZA, não iríamos nos opor ao fechamento, mesmo sendo a 3° vez que isso ocorre nos últimos 4 meses. Fica muito fácil dizer que a economia se recupera, quando se tem uma vida estável financeiramente, e não se tem a preocupação de perder seu emprego. Mas para as pessoas que lutam pelo pão de cada dia, NÃO, funciona dessa forma! Acreditamos piamente que para a ERRADICAÇÃO dessa PANDEMIA, uma das formas é a CONSCIENTIZAÇÃO E PREVENÇÃO INDIVIDUAL. SOMENTE O FECHAMENTO DOS COMÉRCIOS NÃO ESSENCIAIS, NÃO É A SOLUÇÃO! Temos filas absurdas e aglomerações nos bancos e lotéricas, os caixas eletrônicos não são higienizados a cada cliente que o usa, tocamos em tantos lugares que podem estar infectados, inclusive produtos da prateleira de uma farmácia, ou supermercado, da recepção de um hospital… Temos mercadinho, mercados, supermercados cheios de pessoas todos os dias, o dia todo!! #PrevençãoIndividual #TodasasVidasImportam #RespeitoAoPróximo

– “Peço que reavaliação do decreto pois nos comerciante não estamos mas aguentando nossos fundos de reserva já estar se esgotando, não recebemos nenhum tipo de ajuda por parte da gestão pública municipal, onde o mesmo não parece estar preocupado com os empregos, e os fechamento das empresas, já tamos ai passando mas de 4 meses da pandemia e agora que todos os estados e municípios estão tendo a volta gradual da economia a gente se depara com esse decreto. Como está na nossa constituição que qualquer fechamento por decreto do prefeito ou governador eles arcam com os custo , não queremos isso só queremos nosso direito de trabalhar e sustentar nossa família e as pessoas que depende do nosso trabalho”.

– “Se observarmos podemos verificar que os casos aumentaram depois que liberou o funcionamento de bares, infelizmente alguns setores sofrem mais que outros. Seria interessante tentar, ao invés de fechar o comércio, o toque de recolher a partir das 18 horas. Infelizmente até uma vacina sair temos que ir adaptando, não dá pra ficar fechado até lá. O que tem risco maior ficar fechado: escolas, clubes, festas, parques”.

– “A minha opinião sobre o último Decreto Municipal, ao meu ver, como empresário aqui em Guanambi, é que foi precipitado em FECHAR todo os lojistas. Ao meu ver não existem aglomerações nas lojas, onde estas estão atendendo todas as medidas impostas OMS. O que eu vejo, são filas imensas nas Agências Bancárias, nós correspondentes Bancários, assim também como na feira livre, nos bares durante a noite. O que observo é o livre acesso a nossa cidade, onde se entra e sai carros, ônibus sem um maior controle ou até proibição dos mesmos.Com isso, vejo a necessidade de uma fiscalização severa às enormes filas, aos bares. Isso sim, deveria ser proibido a abertura, já que a população não tem a consciência. Mas nós lojistas, nós não temos aglomerações em nossos estabelecimentos.Concordo e até sugiro uma redução horário de funcionamento do comércio, concordo em um toque de recolher a noite com uma fiscalização severa. Essa é a minha opinião a respeito do Decreto Municipal. Falta empatia da parte das Autoridades Municipais e órgãos competentes”.

– “Venho através desta mensagem relatar minha preocupação em relação a manutenção deste último decreto, tendo em vista a aproximação de uma data muito especial esperada por todos nós lojistas, peço que haja nova reavaliação deste decreto, pois é de suma importância a abertura do comércio, sobretudo nesta data comemorativa. Continuaremos a manter todos os cuidados necessários para atender nossos clientes da maneira mais segura possível, conto com vossa compreensão”.

– “Sr. Prefeito, Nós proprietário e colaboradores da empresa, vimos solicitar seu empenho para que o nosso comércio tenham oportunidade neste momento de crise, de abrir suas portas, com todos os cuidados e recomendações já tornadas públicas. Sabemos que o cenário econômico decorrente dessa pandemia, por si só, sinaliza que reflexos sociais preocupantes virão, como perdas de faturamento e dívidas, que tendem a comprometer toda a estrutura da empresa, a situação também afeta as relações de trabalho, levantando dúvidas dos empregados em relação à continuidade de seus empregos. Como é de conhecimento, temos um grande número de colaboradores, de forma direta temos uma boa parcela de contribuição na geração de emprego e renda para o nosso município. Diante da imprevisibilidade do cenário futuro, aliada à queda de faturamento, fatalmente acarretará a diminuição no quadro de colaboradores, pensando nisso solicitamos que ao menos se destine certo período comercial para o atendimento. Esta flexibilização, possibilitaria que as demandas de consumo fossem atendidas e o acesso às lojas, trariam os pagamentos que estão em ser e são de extrema importância para honrarmos com nossos compromissos de pagamento de salários, impostos e fornecedores. 1. Adotaremos medidas rígidas de restrição ao aglomeramento de pessoas, quer sejam colaboradores, quer sejam clientes. 2. Disponibilizaremos, máscaras e álcool gel. Sugerimos que torne ciente do nosso pedido. Em situação de normalidade, nosso comércio dificilmente opera em situação de aglomeração de pessoas, que ao natural diante desta pandemia, haverá cuidados necessários. Com votos de estima e consideração, certos do seu entendimento, parceria com os empresários e empenho, aguardamos o deferimento do pedido”.

– Através do ofício com reivindicações, a CDL, por meio de seus lojistas associados, espera apresentar aos gestores municipais o real cenário vivido pelo comércio diante das restrições.

Por Neide Lu – Portal Fala Você Notícias

CompartilheShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Entre em contato conosco 😊

Travessa Cincinato Fernandes 265
Centro, Guanambi - Bahia